Uma pele protegida dos raios solares

 

Quem me segue no SnapChat (#Lillian-Nutri) sabe o que me tenho esforçado para que este ano não me confundam com uma inglesa acabada de aterrar.

Se é verdade que a exposição prolongada aos raios U.V. não são aconselhados para ninguém, existem algumas pessoas, como é o meu caso, que não devem mesmo esquecer esta recomendação.

Tal como eu existem hoje em dia muitas outras pessoas diagnosticadas com os mais variados problemas de saúde auto-imunes e que para tal precisam de medicação que provoca hipersensibilidade ao sol (fotosensibilidade).

Na minha condição clínica, sarcoidose, apesar de rara, o tratamento passa pela terapêutica não especifica, que é igualmente aplicada a muitas outras doenças deste foro: Corticoterapia.

 

A alimentação desde o inicio desta história tem sido a minha grande aliada, no que toca a uma pele protegida dos raios solares, ao não aumento de peso, no combate à retenção de líquidos e aos edemas, na manutenção da minha energia de dia a dia (nunca trabalhei tanto como agora) e, neste momento, também na tentativa de erradicar recaídas da doença. Escrevi um post sobre alimentação e corticoterapia, leiam AQUI.

 Actualmente estou a diminuir a dosagem de cortisona, de forma muito gradual, mas com introdução de outro fármaco, para ver se desta vez não há surpresas!

As sugestões dadas pelo médico eram várias, mas colocando as cartas na mesa e, em conjunto, percebendo quais as alternativas menos “tóxicas”, optámos por uma terapêutica igualmente segura mas com muito menos contra-indicações do que as opções dadas inicialmente: metotrexato (imunosupressor) e plaquinol (antimalárico).

Nada como fazer escolhas informadas. Ter um médico com quem possam discutir e partilhar receios é fundamental. Nós pacientes também temos o direito à escolha.

 

Segundos vários estudos e testemunhos, parece existir uma co-relação entre o consumo de lácteos, glúten ou processados no desenvolvimento e na recaída das doenças auto imunes. Falarei em breve sobre este tema e sobre as alterações que tenho feito na minha alimentação de há 3 anos para cá.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

×